Mulheres atingidas por barragens lançam livro sobre saúde em | Saúde

Mulheres atingidas por barragens lançam livro sobre saúde em

, com o lançamento do livro “Educação Popular, Direitos e Participação Social: Bordando a Saúde das Mulheres Atingidas por Barragens”. entre a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV), da (Fiocruz), e o (MAB).

O livro reúne  reflexões que surgiram a partir de um espaço de formação, ao longo do ano de 2019, em que foram debatidos os temas da saúde, dos direitos sociais, da luta contra a construção de barragens, da construção dos espaços de ciranda infantil e da produção das arpilleras – bordados que se tornaram populares no Chile como instrumentos de luta e de denúncia.

Leia mais: 

Entre as metodologias utilizadas nas reflexões, o diagnóstico rápido participativo foi peça chave para as agentes de saúde da Fiocruz e para as atingidas por barragens das comunidades do Vale do Guapiaçu, no interior do Rio de Janeiro, levantarem as principais problemáticas de saúde na região. 

Na publicação, o resultado do trabalho é dividido em seis capítulos: "A importância do direito à saúde”, “As mulheres atingidas por barragens e a violação do direito à saúde”, “O projeto educação popular, direitos e participação social: bordando a saúde das mulheres atingidas por barragens”, “As arpilleras: tecendo a vida das mulheres”, “As crianças como sujeitos políticos” e “A saúde levantando pauta de reivindicação e luta das mulheres”.

Parte do conteúdo desenvolvido durante o espaço de formação e apresentado no livro, também foi sistematizado em arpilleras a partir de um processo intenso de produção embasado em temas relacionados à saúde. Em cinco comunidades, as mulheres fizeram arpilleras abordando os temas dos direitos à saúde pública, à previdência, ao saneamento, à água e à educação. Ao final, sete arpilleras foram expostas na cidade de Cachoeiras de Macacu e na sede da Fiocruz, no Rio de Janeiro, no ano passado.

Fonte:

Edição: Mariana Pitasse

Author: SILVA RICARDO