Flávio Bolsonaro admite que miliciano Adriano Nóbrega foi seu | Geral

Flávio Bolsonaro admite que miliciano Adriano Nóbrega foi seu

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos) admitiu, em depoimento ao Ministério Público do Rio (MP-RJ), no início de julho que o miliciano Adriano da Nóbrega foi seu instrutor de tiro e que o conheceu por intermédio de seu ex-assessor Fabrício Queiroz. Segundo o senador, Adriano e Queiroz eram integrantes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) da Polícia Militar na época.

Flávio foi ouvido pelo MP no inquérito que investiga as "rachadinhas" na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) no período em que o filho do presidente, Jair Bolsonaro (sem partido), era deputado estadual pelo Rio. Em seu mandato na Alerj, Flávio empregou Danielle Mendonça, ex-mulher de Adriano, e Raimunda Magalhães, mãe do miliciano morto em fevereiro durante troca de tiros com a PM da Bahia.

Leia mais: 

Em 2005, o então deputado Flávio Bolsonaro condecorou Adriano na Alerj com a Medalha Tiradentes, maior honraria do estado. Na época, o ex-policial cumpria pena e já havia sido preso preventivamente por homicídio. Adriano é apontado nas investigações como principal chefe do "Escritório do Crime", maior grupo miliciano do Rio de Janeiro.

Leia também:

O MP-RJ afirma que Adriano e Queiroz são sócios em um esquema de “rachadinha” que funcionava no gabinete de Flávio. , mostram que o ex-assessor recebeu R$ 2 milhões em sua conta, divididos em 483 depósitos. Há indícios de que a ex-mulher e a mãe do miliciano possam ser funcionárias fantasmas no gabinete da Alerj.

Fonte:

Edição: Eduardo Miranda

Author: SILVA RICARDO